Texto copiado do Faceboock de um professor chamado Fred Jr.

Frederico Araujo Jr.

15 de março às 20:15 · 

Frederico Araujo Jr.

15 de março às 20:15 · 

Hj numa de minhas aulas com oitavo ano vi um aluno se mascarando no fundo da sala tal qual os rapazes assassinos. E sorrir. 
Tive q paralisar a aula por meia hora pra tentar demover da cabeça dele e dos demais aquela fantasia. 
O menino tinha o mesmo perfil. Quieto, arredio, estilo classe media, não sociável e inteligente.
Tentei fazer eles entenderem que a vida de QQ um deles importa. Q mesmo os mais acanhados ou expansivos importavam pra mim, pros pais deles e amigos. E nenhum sofrimento eh motivo de revolta sem causa, como os dos meninos de Suzano. 
Falei desde vídeo games até a cultura armamentista. Comentei sobre a cultura de ódio. Da não aceitação do outro. E Não citei marxismo ou kit gay em nenhum momento. Apenas me mostrei um professor que TB eh pai, tio e humano.
O rapaz me veio ao final da aula me cumprimentar e agradecer pelos esclarecimentos, se desculpando pela brincadeira. Eu chorei disfarçadamente.
Mas até quando a gente consegue ter energia e disposição pra isso? Até quando poderemos arrastar geladeiras como barricadas? Até quando aturaremos receber um salário como hoje depositado na conta que não dura até amanha?Tenho apenas 12 anos d magistério e estou exausto. Atacado por governo, pais e muitas vezes por direções.
Não precisamos de filmes da Marvel, meus amigos. 
Nós somos super heróis de verdade.
Reconheçam, por favor.
Seus filhos são nossos filhos TB.382Elizabeth Magalhães, Ivelise Sbn e outras 380 pessoas40 comentários

Hj numa de minhas aulas com oitavo ano vi um aluno se mascarando no fundo da sala tal qual os rapazes assassinos. E sorrir. 
Tive q paralisar a aula por meia hora pra tentar demover da cabeça dele e dos demais aquela fantasia. 
O menino tinha o mesmo perfil. Quieto, arredio, estilo classe media, não sociável e inteligente.
Tentei fazer eles entenderem que a vida de QQ um deles importa. Q mesmo os mais acanhados ou expansivos importavam pra mim, pros pais deles e amigos. E nenhum sofrimento eh motivo de revolta sem causa, como os dos meninos de Suzano. 
Falei desde vídeo games até a cultura armamentista. Comentei sobre a cultura de ódio. Da não aceitação do outro. E Não citei marxismo ou kit gay em nenhum momento. Apenas me mostrei um professor que TB eh pai, tio e humano.
O rapaz me veio ao final da aula me cumprimentar e agradecer pelos esclarecimentos, se desculpando pela brincadeira. Eu chorei disfarçadamente.
Mas até quando a gente consegue ter energia e disposição pra isso? Até quando poderemos arrastar geladeiras como barricadas? Até quando aturaremos receber um salário como hoje depositado na conta que não dura até amanha?Tenho apenas 12 anos d magistério e estou exausto. Atacado por governo, pais e muitas vezes por direções.
Não precisamos de filmes da Marvel, meus amigos. 
Nós somos super heróis de verdade.
Reconheçam, por favor.
Seus filhos são nossos filhos TB.382Elizabeth Magalhães, Ivelise Sbn e outras 380 pessoas40 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *